Toffoli pauta julgamento do processo sobre ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins

De acordo com matéria publicada no portal da revista ISTO É DINHEIRO, a quem desde logo nós, dispensamos os créditos pela publicação, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, marcou para o dia 5 de dezembro o julgamento que irá definir quanto a União poderá ter de desembolsar em razão do entendimento de que o ICMS não pode ser considerado na base de cálculo do PIS/Cofins. A ministra Cármen Lúcia liberou o caso para a pauta em julho, e agora Toffoli o incluiu no calendário. O mérito do processo, que representou uma grande derrota para a União, foi julgado em março de 2017, mas a Corte ainda precisa decidir a partir de que momento o entendimento valerá.

Entendendo o ICMS – Novo: incluindo o Ajuste do Imposto Retido por Substituição Tributária a ser calculado, compensado ou recolhido pelo contribuinte varejista ou não varejista à partir de 01/03/2019

Recentemente, a Procuradoria-Geral da República enviou manifestação ao STF em que pede que a decisão da Corte não tenha efeito retroativo, ou seja, que o governo não precise devolver aos contribuintes o imposto recolhido a mais, antes do pronunciamento do tribunal.

Se a Corte decidir dessa forma, será uma vitória para os cofres públicos, já que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional estima que a União poderia ter de dispender um valor de até R$ 250,3 bilhões, a depender de como o STF irá se manifestar.

Em recurso que apresentou contrário à determinação da Corte ainda em 2017, a União defendeu que o passivo máximo que poderia ser considerado é de R$ 100 bilhões, valor correspondente ao impacto de cinco anos antes da decisão do STF. As perdas, porém, chegariam a R$ 250,3 bilhões se o período considerado fosse de 2003 a 2014 e todos os contribuintes cobrassem na Justiça. No entanto, a PGFN luta para evitar a cobrança retroativa de qualquer valor.

ADVOGADO: AUMENTE SUA RENDA COM CAUSAS DO ICMS PAGO SOBRE A TUST E A TUSD

Na manifestação enviada à Corte, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pede que o entendimento do STF só passe a ter validade quando o plenário decidir sobre este recurso da União, que ainda não tem data para ser julgado. Ou seja, para a PGR, a decisão da Corte não poderia valer nem mesmo a partir de março de 2017, quando o tribunal se manifestou sobre o tema.

“Assim, opino pelo parcial provimento dos embargos, tão somente para que se faça a modulação dos efeitos do acórdão, de modo que o decidido neste recurso paradigmático tenha eficácia para o futuro, a partir do julgamento destes declaratórios”, defendeu a PGR no STF.

Restituição de ICMS na Fatura de Energia Elétrica – Material p/ Advogados e Consumidores – Atualizado 2019

Raquel relembra que os ministros que ficaram vencidos no julgamento alertaram para o impacto da decisão da Suprema Corte. “As considerações feitas pelos ministros da Suprema Corte evidenciam haver, realmente, fundado receio de graves implicações e danos no imediato cumprimento do julgado e aplicação da tese firmada neste leading case”, destacando ainda que a decisão do STF produz importante modificação no sistema tributário.

Além do efeito retroativo, a Receita Federal calcula que a retirada do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins tenha impacto anual de R$ 45,8 bilhões na arrecadação, considerando valores de 2018.

Veja também: DECISÃO: TRABALHADORA QUE TEVE CONTRATO NULO RECEBERÁ VALORES RELATIVOS AO RECOLHIMENTO DO FGTS DE PERÍODO LABORADO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s