Empregado registrado tem direito de averbar tempo de serviço trabalhado para fins previdenciários ainda que a contribuição não seja recolhida

Assinatura Ilimitada Estratégia Concursos

…uma vez comprovada a efetiva prestação de serviço, mesmo que o empregador não tenha recolhido o INSS e as contribuições previdenciárias de sua incumbência

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) obrigou o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a fazer a averbação de tempo de serviço trabalhado pelos autores da ação como tempo de serviço para fins previdenciários, mesmo não havendo recolhimento das contribuições previdenciárias pelo empregador.

Em primeira instância, o Juízo da 21ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, já havia concedido o direito aos trabalhadores, de averbar como tempo de serviço trabalhado, o período exercido sem que houvesse o devido recolhimento das contribuições previdenciárias por parte do empregador.

O INSS por sua vez, interpôs recurso de apelação ao TRF1, alega em síntese, que não houve recolhimento das contribuições previdenciárias pelo empregador, e por essa razão os trabalhadores não fazia jus à contagem do tempo trabalhado para efeito de contribuições previdenciária.

Leia tambémConheça o método prático para alcançar honorários extraordinários e estabilidade financeira na advocacia AQUI!

Contudo, de acordo com o relator do caso, o desembargador federal João Luiz de Sousa, em relação à parte autora, “uma vez comprovada a efetiva prestação de serviço, mesmo que o empregador não tenha recolhido o INSS e as contribuições previdenciárias de sua incumbência por disposição legal (artigo 30I, alínea a, da Lei 8.212/1991), tem direito à averbação do período de serviço trabalhado para fins de concessão de benefício”. (grifei)

O magistrado ressaltou a comprovação por meio de documentos, da comprovação dos registros da carteira de trabalho e previdência social (CTPS) e os contracheques, demonstrando que os autores foram devidamente registrados e que havia recolhimento pelo empregador dos valores referentes às contribuições previdenciárias.

Assim afirmou o desembargador, “não seria razoável que o trabalhador fosse prejudicado quanto à contagem do período efetivamente laborado para fins de tempo de serviço em razão de falta do empregador e culpa na atividade de fiscalização a cargo da autarquia federal”. (eu grifei)

Para o relator, os trabalhadores atendem à exigência do artigo 55§ 3º, da nº Lei 8.213/1991 para fins de reconhecimento de tempo de contribuição, fazendo jus à pleiteada averbação para fins previdenciários.

Diante disto, todos os julgadores, acompanhando o voto do relator, assegurando aos trabalhadores, o direito de averbar tempo de serviço trabalhado para fins previdenciários ainda que a contribuição não tivesse sida recolhida. Dando parcial provimento à apelação do INSS, apenas para reduzir a verba honorária.

Para ler a EMENTA e ACÓRDÃO do julgado acesse AQUI!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s