19 de novembro de 2020

Empregado coagido pelo próprio advogado a fazer acordo tem pedido de anulação negado

Por VALTER DOS SANTOS

Não há prova de que a empresa tenha tido conhecimento ou participado da coação

Justiça do Trabalho nega pedido em que um empregado, pretendia anular o acordo homologado com a empresa, com o argumento de que teria sido coagido por seu próprio advogado a assiná-lo.

Segundo os julgadores, não houve comprovação de que a empresa, que supostamente teria sido beneficiada pelo vício de consentimento, tivesse ou devesse ter conhecimento da coação.

Acordo

O empregado, contratado como gesseiro, ajuizou reclamação trabalhista com diversos pedidos, entre eles o pagamento de pensão vitalícia decorrente de acidente de trabalho.

O valor dado à causa foi de R$ 360 mil. No acordo, homologado pela juíza da Vara do Trabalho de Lucas do Rio Verde, a empresa se comprometeu a pagar R$ 16 mil, em quatro cheques de R$ 4 mil.

Ficou acertado, ainda, que esse valor correspondia à totalidade das parcelas devidas e que, decorrido o prazo sem que houvesse notícia do descumprimento, a conciliação estaria integralmente cumprida.

Coação

Na ação de anulação, o trabalhador afirmou que o advogado que o representava na reclamação lhe disse que, caso não aceitasse a proposta da empresa, ele seria preso e abandonado na sala de audiência sem assistência advocatícia.

Segundo ele, o fato foi presenciado no corredor do fórum trabalhista por duas testemunhas, que o registraram em declarações autenticadas em cartório.

O Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) julgou procedente a ação rescisória e anulou a sentença homologatória, por entender que as ameaças feitas pelo advogado representaram coação moral, determinante para que o empregado aceitasse o acordo que pôs fim à ação trabalhista.

Responsabilidade do advogado

No recurso ordinário, a empresa sustentou, entre outros pontos, que todos os fatos apurados apontam que o empregado fora simplesmente advertido por seu advogado sobre a consequência de mentir em juízo e não sofrera qualquer tipo de prejuízo, recebendo a contento o valor acordado.

O relator, ministro Dezena da Silva, explicou que, para a anulação da sentença, teria de haver demonstração inequívoca da ocorrência de algum vício de consentimento de uma das partes envolvidas no acordo. No caso, entretanto, a coação foi praticada por um terceiro.

No caso, não houve comprovação de que o empregador, parte que seria eventualmente beneficiada, tivesse ou devesse ter conhecimento da coação praticada pelo advogado do empregado, razão pela qual não pode vir a sofrer as consequências do vício alegado na ação rescisória”, afirmou.

Para o relator, o advogado é quem deve responder por eventuais danos causados a seu cliente.

A decisão foi unânime.

Processo: RO-24-42.2015.5.23.0000

Julgado pela Subseção II Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Cursos disponíveis: IBIJUS

https://www.ibijus.com/curso/175-adb-pro?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/301-lgpd-do-zero?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/312-novaadv-advocacia-trabalhista?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/313-novaadv-advocacia-em-direito-das-familias?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/319-jornada-da-advocacia-em-dividas-bancarias?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/320-semana-da-nova-advocacia-trabalhista?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/321-advexpert-simples-nacional-na-pratica?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/323-semana-da-advocacia-de-resultado-da-prospeccao-a-peticao?a=44862

https://www.ibijus.com/curso/324-advocacia-trabalhista-extrajudicial-de-resultado?a=44862

***