HOMEM COM DEFICIÊNCIA E SEM RENDA DEVE RECEBER BENEFÍCIO ASSISTENCIAL NO VALOR DE UM SALÁRIO MÍNIMO

A justiça federal condenou o INSS a pagar benefício assistencial de prestação continuada (BPC/LOAS), no valor de um salário mínimo, para um homem de 35 anos.

A decisão é do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) que manteve a condenação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a pagar benefício assistencial de prestação continuada, no valor de um salário mínimo, para um homem de 35 anos.

VEJA TAMBÉM: Revisão da Vida Toda PBC – Material – Atualizado 2022. Acesse AQUI

Os julgadores entenderam que o homem preencheu os requisitos legais para receber o benefício, pois ele é pessoa com deficiência intelectual e não possui renda familiar capaz de prover o seu sustento.

A ação foi ajuizada em setembro de 2017. O advogado alegou que o autor é pessoa com deficiência, que necessita de auxílio para realização das atividades da vida diária. Foi argumentando que ele reside com os pais e não possui recursos financeiros para a própria subsistência, tendo direito a receber o beneficio assistencial.

Na via administrativa, o pedido foi indeferido pelo INSS com a justificativa de que o autor não preencheu os requisitos legais já que a renda familiar per capita dele seria superior a um quarto de salário mínimo.

Em novembro de 2021, a Vara Judicial da Comarca de Flores da Cunha condenou o INSS a conceder o benefício, com o pagamento das parcelas devido desde a data do requerimento administrativo em junho de 2016.

O juiz responsável pelo caso em primeira instância considerou que o autor e sua família enfrentam situação de risco social, pois a renda familiar não seria suficiente para garantir o mínimo necessário para a sobrevivência do homem e dos pais.

O INSS recorreu ao tribunal requisitando a reforma da sentença. A autarquia argumentou que “deveria ser observado o critério de renda familiar per capita não superior a um quarto de salário mínimo”.

Segundo o relator, juiz convocado no TRF4 Alexandre Gonçalves Lippel, “o Estudo Social realizado na residência da parte autora atesta que a única fonte de renda do núcleo familiar (excluindo-se o benefício ora pleiteado) é o benefício assistencial de um salário mínimo pago ao pai idoso da parte autora. Tal benefício, porém, não deve ser computado no cálculo da renda per capita conforme a jurisprudência das Cortes Superiores”.

O magistrado concluiu em seu voto que “assim, tem-se que a renda per capita, para fins de concessão de benefício assistencial, é de zero reais. Entendo, portanto, presentes os requisitos para concessão do benefício assistencial à parte autora, devendo ser negado provimento à apelação do INSS e mantida hígida a sentença que concedeu o benefício”.

Fonte: TRF4.JUS.BR

***

#inss #direito #jardinssp #previdencia #patinsstreet #aposentadoria #patinsstreetbrasil #direitoprevidenciario #patinssp #oab #inssta_makeup #advogado #patinsslide #previdenciasocial #fitinss #advocacia #beardedvillainssupporter #advogada #twinssisters #direitodotrabalho #medecinssansfrontieres #estudos #inssdigital #brasil #marinsshop #concurseiro #artistasmirinssp #estudaqueavidamuda #patinssport #consumidor



Categorias:PREVIDÊNCIA

PERGUNTAR

%d blogueiros gostam disto: