TRF3 determina pagamento de pensão e indenização de R$ 400 mil à vítima da talidomida

Por VALTER DOS SANTOS

Mulher sofreu deficiência física por causa de remédio utilizado para combater enjoos na gravidez.

Veja como redigir com maestria todos os seus RECURSOS CÍVEIS sem esquecer de nenhum tópico importante! Acesse AQUI!

Já pensou em atuar em uma ação como esta? Por exemplo, cobrar honorários de êxito de seu cliente (que é quando o cliente recebe o que lhe for devido). No caso hipotético. Teve como resultado = R$ 400 mil (30% de honorários = R$ 120 mil). Nada mal! Vamos à noticia.

Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve, por unanimidade, sentença que determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a concessão de pensão especial e de indenização por dano moral no valor de R$ 400 mil a uma mulher, em razão de deficiência física causada pela Síndrome da Talidomida.

Os magistrados consideraram comprovados o direito da autora e a responsabilidade da autarquia previdenciária pelo pagamento dos valores discutidos. A pensão especial e vitalícia está prevista na Lei 7.070/82, e a indenização por danos morais, na Lei 12.190/10.

Talidomida, medicamento distribuído no mercado brasileiro a partir de 1957, foi muito utilizada por mulheres grávidas para combater enjoos. Em 1961, o remédio foi proibido em todo o mundo por provocar deformações no feto. No Brasil, a Talidomida foi retirada do mercado apenas quatro anos depois.

Segundo o relator do processo no TRF3, desembargador federal Antonio Cedenho, ao contrário da alegação do INSS, a perícia médica foi conclusiva em confirmar a deficiência física apresentada pela mulher como compatível com a Síndrome de Talidomida. O laudo judicial atestou, ainda, a incapacidade total e permanente da autora, considerando fatores como a dificuldade para a locomoção, para o trabalho, para a higiene pessoal e para a alimentação.

O magistrado concluiu o voto com uma explicação sobre a diferença entre a pensão e a indenização devidas à vítima do medicamento. “Enquanto a pensão especial prevista na Lei 7.070/82 busca viabilizar a subsistência digna das pessoas portadoras de Síndrome de Talidomida, a indenização por danos morais, por outro lado, encontra fundamento na reparação do sofrimento causado pelas adversidades psíquicas e sociais experimentadas por estas mesmas pessoas”, finalizou.

✅👉 Curso sobre Honorários Advocatícios no CPC 2015 – Acesse AQUI

✅👉 Curso de Atualização em Processo Civil – Acesse AQUI


Conheça o processo – Apelação Cível Nº 5000387-06.2018.4.03.6134

Com informações da Assessoria de Comunicação Social do TRF3

Anúncios